Total de visualizações de página

terça-feira, 30 de novembro de 2010

LIVRINHO DE POESIAS

   As meninas de minha infância e início de adolescência todas tinham seus livrinhos de poesisas ou, como algumas chamavam, livrinho de recordações. Levávamos a preciosidade por onde íamos sempre a oferecer aos amigos e parentes para que deixassem um recadinho. Professores, pequenos pretendentes e mesmo padres também grafaram em pouco de si no papel. O meu, de capa verde e dura com letras douradas (Recordações), me foi dado de aniversário de dez anos por um tio e primos, nos idos de Santo Ângelo. Lá, em suas páginas já amareladas, dormem mensagens pueris, poeminhas inocentes, conselhos afetuosos, frases ilárias que a memória sabe de cor.  No entanto, a ternura, simplicidade, meiguice e amor do recado de meu pai ficou registrado  forever na ponta da língua. Recito pra mim mesma quando triste ou carente(rsss) e de imediato aqueço o coração:

            L INDA FLOR QUE DO BOTÃO SAI
            I GUAL AS MINHAS OUTRAS FLORES
            A MA SEMPRE TEU PAPAI
            N UNCA ESQUEÇAS POR ONDE FORES
            A  MAMÃE DE TEUS AMORES

2 comentários:

Bruno Fabrício Cruz disse...

Que boa época em que as meninas cultivavam as coisas do coração em seus livros de poesia, se entendiam de menos e amavam mais.

lidia disse...

Lianinha, eu lembro sempre, e tenho sempre na ponta da língua também. Ele escreveu para ti, mas eu sempre soube que era endereçado a todas as suas flores.