Total de visualizações de página

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

ANO NOVO!

"NOSSA MAIOR TRAGÉDIA É NÃO SABER O QUE FAZER COM A VIDA" -  José Saramago

Mas sei que devemos experimentar e tentar fazer valer a pena! É o que eu teimosamente tento, de coração! E é o que desejo à todos vocês, de coração!

FELIZ ANO NOVO!!!

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

FOTOGRAFIA: UMA PAIXÃO

   
    A arte de registrar e eternizar em papel um momento, um lugar e/ou pessoas me fascina de forma tal que por vezes deixo mesmo de aproveitar e participar ativamente da ocasião. No entanto, o prazer de rever o fotografado, revivendo, sentindo outras vezes a experiência me compensa. É quase como um vício! Por onde passo observo cenas e de imediato penso: - Que foto daria!
    Flores, crianças, pôr-do-sol, prédios, em especial os antigos, árvores frondosas ou secas, objetos, a lua cheia, igrejas, as pessoas, os campos, os animais... Raro o dia em que não fotografo com a mente. Por vezes utilizo a câmara do celular (quando a máquina não está na bolsa ou se encontra sem carga na bateria). Gosto de fotografar com o coração, isto é, sem técnica, reafirmando a realidade em fragmentos. Tanto que até hoje não fiz qualquer curso de fotografia e não tenho intenção de fazê-lo. Aqui ou ali apenas pego algumas "dicas" com parentes ou amigos mais entendidos. Mas prefiro meu olhar, meu registro instintivo.
    Assim, doravante compartilharei semanalmente com meus amigos leitores minhas "preciosidades". Esta primeira foi tirada em Gramado, na "Linha 28", numa tarde cinza deste inverno.
   Fotografia"coisas do meu coração"...

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

BILHETINHOS

    Quando havia sessão de julgamento na Secretaria de Câmara em que trabalhei no TriBunal de Justiça, na época em que meus filhos eram pequenos, muitas vezes os julgamentos se alongavam a adentrar a noite. Eles gostavam, então, ao irem me apanhar junto com o pai, de me espiarem na sala de sessão. Eu lá, sentada junto ao desembargador presidente, na seriedade que o momento exigia, me segurava pra não mandar beijos naquelas carinhas queridas, sapecas e sedentas de mim, mãe meio ausente. Estudava à noite, às vezes pela manhã. Trabalhava à tarde. Sufoco!
   Não raro eles me mandavam, através do oficial de justiça, pequenos bilhetinhos, desenhos, beijinho de baton, uma balinha... Guardo estas minha relíguias até hoje, com muito carinho e uma pontinha de "culpa" por não lhes ter dado a atenção devida e única que, em suas tenra infância, mereciam. Bruno, muito agitado e curioso, cheio de cachinhos louros, sempre fazendo perguntas: "Como isto funciona?"   Ju, calminha e meiga se arvorava de "mãezinha" do Zenzo, com zelo e ternura escapolia pra creche a verificar o choro ou travessura do irmão. Este o bebê mais lindo e alegre posto na face da terra. Cedo engatinhou e "patrolava" todo e qualquer obstáculo pela frente, sempre rindo feliz, mesmo ante as broncas do irmão pela "destruição" de seus brinquedos até então tão bem cuidados...
   De autoria do Zenzo, hoje homem corajoso e independente, cheio de amigos e tão querido por todos, o bilhetinho que acima exibo orgulhosa e saudosa!
   Coisas do coração mole de mãe (rsssss).

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

E A TAL FELICIDADE?

      Nunca havia pensado muito no assunto, apesar do estranho cacoete de me perguntar com certa frequencia, quase que de forma inconsciente, "Liana, tu é feliz?" É tão interno e espontâneo que por vezes me parecer vir de outra pessoa, como se sussurrado em meu ouvido. E eu nunca sei a resposta... Afinal, o que é isto?
      São as necessidades e desejos realizados? A sensação de bem-estar, um estado de espírito? A realização profissional e o carro novo na garagem? Estar apaixonada? Ser saudável e ter amigos? Amar e se amada pelos filhos? Ou seria a harmonia e equilíbrio interno, o auto-preenchimento? Ou então o cultivo de bons sentimentos, a integração com o Universo, com Deus? A felicidade está dentro ou está fora?
      Filósofos, psicólogos, sociólogos entre outros sempre procuraram através dos tempos, em vão, uma definição completa e satisfatória. O dicionário (Luft) assim a conceitua: 1. Qualidade ou estado  de feliz; ventura; contentamento. 2 Sucesso; êxito. Aristóteles acreditava, há mais de dois mil anos, que a felicidade se atingia pelo exercício da virtude e não da posse. Charles Chapin dizia que nosso cérebro é o melhor brinquedo já criado: nele se encontram todos os segredos, inclusive o da felicidade. Nietzsche afirmou não ser a força, mas a constância dos bons sentimentos que conduz os homens à felicidade. Thomas Hardy leciona que a tal felicidade não depende do que nos falta, mas do bom uso que fazemos do que temos. Há meio século, o sonho americano da classe média era possuir casa própria, carro na garagem e  filhos na universidade. Atingidos tais objetivos este povo hoje não se considera feliz e satisfeito. A maioria dos brasileiros se compraz com as alegrias do futebol, carnaval, novelas e o churrasquinho com os amigos no fim-de-semana. E isto, então, acontece esporádicamente. Assim, a felicidade é momentânea, tal como a própria vida, tão vulnerável e efêmera! E o homem é um eterno insatisfeito, busca sempre mais e mais, vivendo com a cabeça no futuro e/ou passado pouco aproveitando do momento presente. A propósito, John Lennon advertia que a vida é o que está acontecendo enquanto estamos pensando no futuro.
    Recentemente li um texto budista que aconselhava: Não desfrute somente o sol, aprecie também a lua. Não desfrute somente a calmaria, aproveite a tempestade. Tudo isso enriquece a existência. A vida não acontece somente dentro de casa, da cidade, do país: ela tem de ser experimentada dentro do universo. A felicidade é um jeito de viver, é uma conduta, é uma maneira de estar agradecido  a quem lhe estende a mão e também a quem o abandona, pois certamente nesse abandono está a possibilidade de se descobrir a força que há em seu interior. Não é o que já se tem, mas o que fazer com isso. Há pessoas que, apesar de ter bens materiais, de ser bem relacionadas, com filhos saudáveis, ainda assim se sentem angustiadas, deprimidas, insatisfeitas. Cada momento tem sua beleza e assim não só nas alegrias há evolução, a dor constitui oportunidade de aprendizado da existência.
    Li outros muitos, aqui e ali, sem ainda encontrar ressonância ampla. No entanto, vasculhando em meus recuerdos estes dias encontrei um texto escrito por minha filha, singelo, sincero e surpreendente. Foi "tema de casa", imagino que de Português, datado de 2001. Reli e reli. Me emocionei com a pureza e verdade na visão de sua meninice:

                    Felicidades

        O horizonte, a liberdade
       Caminhar, paquerar
       Longe dos relógios
       Saudades gostosa
      Novas idéias
      Dançar, conversar
      O amanhecer no mar
      Um abraço
      Cantar
      Assistir um bom filme
      O sorriso da pessoa querida
      Ficar de papo pro ar
      Ouvir aquela música que contagia
      Rir de bobagens
     O sol no final da tarde
     O frescor da noite
     Um banho revigorante
     Sol e chuva
     Ajudar
     Acontecimnetos inesperados
    A familia reunida num domingo
    Uma linda pintura
    Um bom livro
    Arte romântica
    Conhecer alguém especial
     Flores
     Sintonia do beijo
     Espreguiçar-se
     Uma discussão saudável
     Pequenos momentos caseiros, tranquilos
     Ouvir os pássaros
     Ser compreendida e apreciada
     Dormir bem
     Rever amigos
     Conhecer outros
     O frio da manhã no rosto
     Fortes sentimentos
     Relaxar, decidir
     O saber                  Juliana Fabrício Cruz

      Agora, quando a "vozinha" vier me perguntar, "Liana, tu és feliz?" Vou lembrar dos itens desta lista e de quantas vezes pude tê-los e quantas muitas ainda poderei! E vou responder:    "Sou!"

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

MELODIA E LETRA BELÍSSIMAS

 Iolanda                                       Chico Buarque
                                                  (Composição: Pablo Milanés & Chico Buarque)

Esta canção não é mais que mais uma canção
Quem dera fosse uma declaração de amor
Romântica, sem procurar a justa forma
Do que lhe vem de forma assim tão caudalosa
Te amo, te amo,
eternamente te amo
Se me faltares, nem por isso eu morro
Se é pra morrer, quero morrer contigo
Minha solidão se sente acompanhada
Por isso às vezes sei que necessito
Teu colo, teu colo,
eternamente teu colo
Quando te vi, eu bem que estava certo
De que me sentiria descoberto
A minha pele vais  despindo aos poucos
Me abres o peito quando me acumulas
De amores, de amores,
eternamente de amores
Se alguma vez me sinto derrotado
Eu abro mão do sol de cada dia
Rezando o credo que tu me ensinaste
Olho teu rosto e digo à ventania
Iolanda, Iolanda,  eternamente  Iolanda

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

FRASE DO DIA

“Quanto mais nos elevamos, menores parecemos aos olhos daqueles que não sabem voar.” - Friedrich Nietzsche

OLHE EM VOLTA!

  
Não temos o hábito de "ver com olhos de enxergar" o mundo que nos rodeia no momento presente, perdendo a oportunidade de aproveitar as belezas do cotidiano.
   Dei-me conta disto após viagem ao exterior, quando através  do frenético "clic" constante de minha máquina fotográfica busquei engolir com os olhos e registar toda e qualquer paisagem, monumento, pessoas, etc. Ao retornar à terrinha passei a perceber e valorizar nossas próprias imagens do dia-a-dia, um presente a disposição de todos nas brechas da correria. A cidade nos brinda, assim, com o colorido das flores em magnífico tom lilás e amarelo de novos e antigos Ipês que se exibem em cada esquina. Igrejas e prédios históricos se erguem em vários bairros além do Centro, a lembrar a riqueza arquitetônica e detalhada do passado. Da janela do escritório é possível deslumbrar variantes matizes de nosso magnífico pôr-do sol em dias abertos ou os clarões fugazes de relâmpagos por entre nuvens cinzas e negras em dias de tempestades. O resultado de nossa surpreendente miscinegação desfila, única, pelas ruas: homens e mulheres bem vestidos, em especial no inverno, em nada deixam a desejar em relação às riquintadas vestes européias. Bucólicas e rápidas cenas de humanidade e cultura estão também aí para quem quiser apreciar, tais como neta e avô passeando de mãos dadas e peculiar jogo de tacos japonês às vistas, próximo ao arco da Redenção no início das tardes claras. A propósito, praças verdes disputam espaço com as construções aqui e ali, abrigando vários e variados pássaros, ainda que se agigante diturnamente a cidade. No mercado público flores, frutas, legumes, ervas e carnes dão seu  perfume e colorido vivo aos que transitam. No feio também há o belo e/ou curioso próprio da vida...
   Remexendo nos meus recuerdos hoje encontrei este cartão de aniversário, minha querida amiga Carmem, que me fez lembrar de manter presente o salutar e aprazível hábido de olhar em volta diariamente, em especial nos momentos tristes, o que motivou aqui este breve divagar...



terça-feira, 30 de novembro de 2010

LIVRINHO DE POESIAS

   As meninas de minha infância e início de adolescência todas tinham seus livrinhos de poesisas ou, como algumas chamavam, livrinho de recordações. Levávamos a preciosidade por onde íamos sempre a oferecer aos amigos e parentes para que deixassem um recadinho. Professores, pequenos pretendentes e mesmo padres também grafaram em pouco de si no papel. O meu, de capa verde e dura com letras douradas (Recordações), me foi dado de aniversário de dez anos por um tio e primos, nos idos de Santo Ângelo. Lá, em suas páginas já amareladas, dormem mensagens pueris, poeminhas inocentes, conselhos afetuosos, frases ilárias que a memória sabe de cor.  No entanto, a ternura, simplicidade, meiguice e amor do recado de meu pai ficou registrado  forever na ponta da língua. Recito pra mim mesma quando triste ou carente(rsss) e de imediato aqueço o coração:

            L INDA FLOR QUE DO BOTÃO SAI
            I GUAL AS MINHAS OUTRAS FLORES
            A MA SEMPRE TEU PAPAI
            N UNCA ESQUEÇAS POR ONDE FORES
            A  MAMÃE DE TEUS AMORES

DIA DAS MÃES NO NATAL

   Bruno sempre escreveu bem, sempre se expressou bem, sempre deixou fluir espontaneamente as "Coias do Coração" na sua ânsia e imediatividade de viver, na pureza terna de seus sentimentos. É só coração...
...
OBRIGADA!

DIA DAS MÃES II

   Lorenzo só tinha 07 anos, sempre serelepe e feliz, teve de controlar sua habitual agitação pra fazer o desenho. Hoje, menino/homem, se aventura no outro lado do mundo cheio de expectativas e sonhos, segue destemido e alegre a sua busca...

      Jú foi criativa ao me desenhar usando  meu nome e, aos 08 anos, me via   assim:

                                 Sentimentos são "Coisas do coração"...

DIA DAS MÃES

    Desculpem se eventualmente soe como pieguice (excesso de sentimentalismo) mas dentro do coração, e dentro de caixinhas de sapato enfeitadas, coleciono e guardo com todo o carinho os cartões e cartinhas que ganhei ao longo dos meus anos de maternidade, esta completude máxima que toda a mulher/mãe já experimentou...  E lá já se foram 30 anos...
     São  "Coisas do Coração"  de mãe...   (rssss)


segunda-feira, 29 de novembro de 2010

O HOMEM DA LEI

    O Jornal do Comércio publicou em novembro de 1997, por ocasião de lançamento na Feira do Livro do livro "Flagrantes Institucionais",  bate-volta que mostra um pouquinho do "homem por tras da lei" (meu amado pai):

Programa de fim-de-semana: Fuga para o meu sítio, em Viamão (pequeno, só para lazer).
Cinema ou vídeo:   Prefiro livro.
Ator:  Paulo Autran (no teatro!)
Atriz:  Fernanda Montenegro (no teatro!)
Perfume:  Para mim, lavanda
Hobby:  Leitura e navegação na Internet.
Sonho de consumo:   Não tenho.
Comida preferida:  Churrasco (bem feito!)
Restaurante:  O da Germânia. Os melhores, Floresta Negra e Convés, acabaram.
Casa noturna:  Não frequento.
Bebida:   Scotch
Casamento:  Depende com quem! O meu é ótimo.
Mulher ideal:    A minha.
Parque:  Não frequento
Viagem que marcou:   Terra do Fogo
Projeto de viajem:  Europa, com mais tempo e dinheiro
Esporte:   Tênis
Livro de cabeceira:   Muda a cada semana
Praia ou Serra:  Torres aqui e Pajuçara, em Maceió
Mania:  Guardar papéis (na maior desordem)
Defeito:  Quase todos os pequenos
Qualidade:   lealdade
FHC: É aquele ingrediente químico dos "sprays"?
RS:   Já esteve melhor
Política:  Não é comigo

COISAS DO CORAÇÃO


Quando o navio finalmente alcançar terra
E o mastro da nossa bandeira se enterrar no chão
Eu vou poder pegar em sua mão
Falar de coisas que eu não disse ainda não
Coisas do Coração
Coisas do Coração

Quando a gente se tornar rima perfeita
E assim virarmos de repente uma palavra só
Igual a um nó que nunca se desfaz
Famintos um do outro como canibais
Paixão e nada mais
Paixão e nada mais

Somos a reposta exata do que a gente perguntou
entregues num abraço que sufoca o próprio amor
Cada um de nós é o resultado da união
De duas mãos coladas numa mesma oração
Coisas do Coração
Coisas do Coração

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

HÁ ESTRELAS NOS CÉUS (Laura Fabrício, 1999, in memorium à Juca Fabrício)



Os anjos sorriam
Para receber o meu Amado
E Deus levantou na torre
E caminhou ao encontro dele
Abraçou longamente
E, os dois, de braços dados
Passeiam pelo Campo

Lá vai, o meu Amado
O gesto largo e generoso, andano sem pressa
Numa candura sem fim...
"Escuta, escuta"
Olhando-me na face
E se inclina para mim:
"Não desmeja as tuas máguoa
Sorria para a vida que a vida vai sorrir..."

Tu és o brilho
És a alta arte
Brilhas tanto que ofusca a claridade
No campo árido e deserto
És um farol cintilante
Te ergues na escuridão da noite
E transformas em clarão os céus
E te juntas a todas as estrelas...

Luminoso, feito cristal!
Instala no firmamento:
Estrela Verde!
E Deus, espantado, sorri

A HORRÍVEL TRISTEZA (Juliana Cruz - 8 anos)

"Solidariedade: Amor entre irmãos"
      ...são coisas do coração...



      Eu fiquei muito triste qando o meu irmão mais velho, de doze anos, quebrou o braço de escrever.
     Vi ele andando a cavalo e estranhei quando o cavalo começou a correr porque meu irmão não era acostumado! De reprende meu irmão começou a berrar:
     - Mãe, me ajuda, o cavalo não quer parar! Socorro! Haaa!!!
      Então minha mãe gritou:   -  Puxa a rédea filho, puxa a rédea!
      Eu fiquei apavorada, e o pior é que eu não  podia fazer nada.
     Meu irmão não aguentou e pulou do cavalo. O meu pai saiu correndo ao mesmo tempo que a caminhonete do primo Chico, mas foi o meu pai quem chegou primeiro.
     Eu fiquei muito triste e chorei  junto com o meu irmão.

OS DIREITOS DAS MÃES



"SER MÃE É PADECER NO PARAÍSO", mas, meus amados filhos que me perdoem, Moacyr Scliar tem razão:
(adaptação)

Art. 1°- Toda mãe tem direito a ir dormir à meia-noite no domingo, não importando que o filho queira ouvir Bob Marley em volume máximo,  esticar a festinha na cobertura até a madrugada ou mesmo fugir de casa;
Art. 2º - Toda mãe tem o direito de não ser "bom piloto de fogão" e quando tentar preparar aquele prato especial, ainda que erre a mão no sal, tem o direito de ouvir sinceros elogios pelo seu esforço;
Art. 3º - Toda mãe tem o direito de ignorar quais são as "regras da metodologia para TCC" evitando, assim, de colaborar com o filho que, no último dia para a entrega do trabalho, descobre que não deu tempo para a revisão e quer ajuda às duas da manhã;
Art. 4º - Toda mãe tem o direito de se recusar a ver "Matrix", seja pela primeira vez, segunda ou terceira ou, sendo persuadida,  de dormir discretamente no sofá;
Art. 5º -  Toda mãe, se trouxer um  atestado médico comprovando que sofre da coluna e que seu mal é incurável, tem o direito de se recusar a juntar e limpar o cocô da cachorrinha "esquecido" no meio da sala;
Art. 6º - Toda mãe tem o direito de pedir a posição aproximada, em  termos de latitude e longitude, aos filhos que passam três dias sem dar notícias;
Art. 7º -  Toda mãe tem o direito à paciência dos filhos quando ela chorar ao ver as antigas fotos e desenhos da escolinha de seus lindos "bebês";
Art. 8º - Toda mãe tem o direito de cobrar aquele básico "cafézinho na cama" uma vez por ano, com bolo, torrada, ovos mexidos, geléia, suco, gulosimas, flores, ainda que tenha de inventar uma gripe terrível;
Art. 9º - Toda mãe, mesmo a mais tolerante, tem o direito de procurar "aquela" sua roupa nova dobrada no armário, e achar,  ainda que faça de conta ignorar que a filha pegou emprestado  pra ir à balada;
Art. 10º - Toda mãe tem o direito à ansiedade, à preocupação, ao júbilo e à ternura; vale dizer, toda mãe têm direito aos filhos. Se não, como teria direito aos direitos?
(rsssss...)

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Coisas Do Coração (Música de Toquinho)

No meu peito o sol do amor ardia
Hoje insiste em não brilhar
E por quê que era tão lindo andar
Junto ao mar no fim do dia?

Me acalmava ver cair a chuva
Nos telhados, nos quintais
Por quê é que a luz dos olhos meus
Não te ilumina mais?

Coisas do coração
Quando vêm nos fazem bem e mal
Chegam como um grande carnaval
Desfilando alegria e cores
Energia, magia e dores.
Coisas do coração
Passam como as nuvens lá do céu
Fazem da lembrança um carrossel
Que o tempo que aí vem vindo
Pouco a pouco irá cobrindo
Tudo, tudo com seu imenso véu.

Quantos sonhos me acenaram ao vento
Quase sempre os persegui
Uns renascem todo dia em mim
Outros já me esqueci.

Coisas do coração
Passam como as nuvens lá do céu
Fazem da lembrança um carrossel
Que o tempo que aí vem vindo
Pouco a pouco irá cobrindo
Tudo, tudo com seu imenso véu.